Comércio e serviços lideram criação de empregos no ES

Os
setores de comércio e serviços lideraram, mais uma vez, a criação de empregos formais
no Espírito Santo. É o que mostram os dados do Cadastro Geral de Empregados e
Desempregados (Caged) de outubro, divulgados na última semana pelo Ministério
do Trabalho e Previdência.

Os
setores de serviços e comércio tiveram saldo (resultado entre admissões e
demissões) de 2.101 e 1.790 empregos, respectivamente. Já a construção civil criou
94 postos de trabalho. Por outro lado, indústria (-673) e agropecuária (-116)
recuaram, o que influenciou no saldo geral no Estado, que foi de 3.196 postos
formais (confira a tabela a seguir).

De
janeiro a outubro, foram abertos 48.117 postos de trabalho com carteira
assinada no Espírito Santo. A taxa de desemprego, medida pelo IBGE, ficou em
7,3% no estado, a menor desde 2015.

A
proximidade do Natal, melhor período de vendas no comércio, com a Copa do Mundo
de futebol, que se encerra no próximo dia 18, deixou muitos empresários otimistas
para contratar, na avaliação da Federação do Comércio de Bens, Serviços e
Turismo do Espírito Santo (Fecomércio-ES).

Embora
tenha alcançado um resultado menor (considerado mais como um ajuste, devido ao
significativo saldo entre admissões e demissões em setembro), o décimo mês do
ano foi bastante relevante no Estado para a geração de empregos com carteira
assinada. Historicamente, outubro é menos movimentado, pois trata-se de um
período de transição para o final do ano, com desaceleração da indústria e
início do aquecimento do comércio e serviços. As perspectivas econômicas levam
a um fechamento de ano positivo, com manutenção da geração de empregos, fator
fundamental para a economia.

Resultados por
municípios

Serra
(+864) e Vila Velha (+740) foram as cidades que mais criaram postos de trabalho
formais em outubro, em termos absolutos. Dos 78 municípios capixabas, 60
geraram empregos no mês.

Brasil

Em
todo o Brasil, foram criados 159.454 empregos formais em outubro, com destaques
para os setores de serviços (+91.294) e comércio (+49.356). Em dez meses, 2.320.252
postos de trabalho formais.

Síntese dos resultados*
no Espírito Santo


SETORES

Agosto

Setembro

Outubro

Acumulado

Estoque

Saldo

Saldo

Admissões

Demissões

Saldo

Jan a out.

Out.

Comércio

+998

+2.043

+10.771

-8.981

+1.790

+7.023

210.227

Serviços

+2.446

+3.170

+15.165

-13.064

+2.101

+26.212

373.109

Indústria

+1.467

+973

+5.872

-6.545

-673

+7.405

147.223

Construção
Civil

+598

+1.770

+4.357

-4.263

+94

+6.539

59.110

Agropecuária

-1.067

-95

+1.181

-1.297

-116

+938

32.250

Total

+4.442

+7.861

+37.346

-34.150

+3.196

+48.117

821.919

Fonte: CAGED/MTP. Elaboração: Gerência de Projetos Fecomércio-ES.

*Dados atualizados em novembro.

Histórico dos saldos
líquidos entre admissões e demissões do Espírito Santo (jan/21 a out/22)

Fonte: CAGED/MTP. Elaboração: Gerência de Projetos Fecomércio-ES.

*Dados atualizados em novembro

Taxa de desemprego

De
julho a setembro, a taxa de desemprego no Espírito Santo, medida pelo
percentual de desocupação, recuou para 7,3%, segundo a pesquisa Pnad IBGE, o
que corresponde a 157 mil capixabas sem emprego formal. O dado é

O
resultado ficou 0,7 pontos percentuais (p.p.) abaixo da taxa estimada para o
trimestre anterior e 2,7 p.p. abaixo da registrada para o mesmo trimestre de
2021 (10,0%).

A
taxa brasileira (divulgada mensalmente) caiu para 8,3% no trimestre encerrado
em outubro.

Metodologia

As informações do Cadastro Geral de Empregados
e Desempregados, do Ministério do Trabalho e Previdência (CAGED-MTP) refletem
números mensais do registro de admissões, dispensas e transferências de
trabalhadores com contrato de trabalho regido pela CLT, que as empresas
declaram mensalmente.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios
(PNAD-IBGE) considera todos os tipos de ocupação, nos mercados formal e
informal, além de empresários e funcionários públicos. Para as unidades da
federação, apresenta dados trimestrais e considera as pessoas com 14 anos ou
mais que não trabalhavam na semana em que a pesquisa foi feita, que tomaram
alguma providência para conseguir trabalho no período de 30 dias e que estavam
disponíveis para assumir.

O tratamento e a análise dos dados do Espírito
Santo são realizados pela Assessoria Econômica da Gerência de Projetos da
Fecomércio-ES.

Por Dayane Freitas

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique atualizado

Assine e receba nosso conteúdo em sua caixa de entrada.

Formulário Newsletter